O Censo Escolar 2010 aponta que o Brasil tem 51,5 milhões de estudantes matriculados na educação básica pública e privada – creche, pré-escola, ensino fundamental e médio, educação profissional, especial e de jovens e adultos.

Dos 51,5 milhões, 43,9 milhões estudam nas redes públicas (85,4%) e 7,5 milhões em escolas particulares (14,6%). Juntamente com este crescimento, temos observado também um aumento no número de vandalismo e roubo nestes estabelecimentos. Segundo a UNESCO, 86% das escolas públicas já sofreram vandalismo. Em função destas problemáticas cada vez mais recorrentes, a VAULT, empresa especializada em Blindagem Arquitetônica e Sistemas Integrados de Segurança (Controle de Acesso, CFTV e Alarme), criou soluções de segurança para proporcionar um ambiente protegido aos estudantes e profissionais de Instituições de Ensino Superior, Médio, Fundamental, Infantil, Técnico e Idiomas.

Um exemplo foi o edifício Ernani Braga, da Escola Nacional de Saúde Pública da Fundação Oswaldo Cruz. Localizado em uma região onde a incidência de criminalidade e balas perdidas é muito grande, a ponto de o local receber o nome de “Faixa de Gaza”, o prédio contou com o apoio da VAULT que projetou uma blindagem de nível III + PA2 (resistente a Fuzis AR 15, FAL 7,62mm, AK 47). Realizada em um período de seis meses, a blindagem da Fundação foi implementada nos centros avançados de pesquisas e laboratórios onde são desenvolvidas determinadas vacinas. Além da proteção física aos professores, alunos, médicos, entre outros, a blindagem foi importante em função de o prédio abrigar salas de desenvolvimento tecnológico com equipamentos de altíssimo valor.

As principais soluções de segurança para instituições de ensino são:

– Blindagem de guaritas, incluindo eclusas, intercomunicadores, caixilhos e vidros blindados, passa-delivery, passa-volumes, gavetas passa-documentos, blindagem de paredes e portas blindadas e antiarrombamento;
– Eclusas e bloqueadores mecânicos tipo “garra de tigre” para veículos;
– Portas-cofre, classificação A, B e C (UL), Classe 1 e 2 (UL);
– Salas-cofre, classificação A, B e C (UL);
– Cofres fortes, classificação A, B e C (UL), Classe 1 e 2 (UL);
– Blindagem de áreas de circulação restrita, como tesourarias, CPD’s, diretorias e refúgios blindados (célula de sobrevivência ou “quarto do pânico”).
– Blindagem de guichês de atendimento ao público (caixas, etc.).

“Hoje em dia, assegurar a proteção das instituições de ensino se tornou quase que um requisito, tendo em vista o crescimento da violência que ronda as escolas”, confirma Cristiano Vargas, diretor da VAULT.

Saiba mais sobre ações de segurança em escolas em Gestaoescolar.abril.com.br.