No Portal TI Bahia, notícia sobre alguns dos projetos de segurança e monitoramento realizados pela VAULT para aeroportos

Atenta à importância de oferecer soluções de segurança aos aeroportos, a VAULT, empresa especializada em Barreiras Físicas de Alta Segurança (Equipamentos Blindados, Bollards e Projetos Especiais) e Sistemas Integrados de Segurança (Controle de Acesso, CFTV e Alarmes), passou a focar em projetos para esta finalidade. As principais medidas estão relacionadas ao incremento nos sistemas de Controle de Acesso. Em conjunto com o Vídeomonitoramento, a instalação de sistemas eficazes de controle de acesso, tradicionais ou biométricos, é essencial para a redução das ocorrências nas áreas internas, restringindo o acesso para aqueles que, de fato, têm permissão para estar no local. Os sistemas podem ser ainda mais eficientes se utilizados em conjunto com barreiras físicas de alta segurança, como portas e ambientes blindados.

A VAULT desenvolveu o projeto da Torre Elevada Blindada contra fuzil AR15 para as instalações do Aeroporto Internacional Salgado Filho, em Porto Alegre. Para a proteção da guarita, foram utilizados vidros blindados e aço balístico, garantindo um maior nível de segurança no local. A VAULT já realizou projetos de blindagem também no Aeroporto Campo de Marte, em São Paulo; Aeroporto Internacional Tom Jobim (Galeão), no Rio de Janeiro; e Aeroporto Internacional Afonso Pena, em Curitiba.

Na parte de Videomonitoramento, a VAULT realizou o projeto de segurança para o Aeroporto Internacional de Punta Cana, na República Dominicana, onde foram implantados os sistemas integrados de Controle de Acesso SCAIIP e a linha de equipamentos e softwares de vídeovigilância NUUO, representada com exclusividade pela VAULT no Brasil. Além da integração entre os sistemas, foi instalada uma Central de Monitoramento e Gerenciamento Central – CMS – com matrizes virtuais de vídeo para mais de 200 câmeras IP de alta resolução.

Recentemente, a VAULT trouxe ao Brasil a tecnologia dos Bollards, equipamentos de alta segurança para controle de fluxo veicular, que podem desde simplesmente limitar o tráfego de veículos sem atrapalhar o de passageiros, até impedir que veículos maliciosos contendo cargas explosivas, por exemplo, mesmo em alta velocidade, consigam transpor estas barreiras físicas e se aproximar ou invadir áreas determinadas de segurança.

“Enquanto nas áreas internas dos nossos aeroportos já há uma série de equipamentos de segurança antiterrorismo, como os equipamentos de Raio-X nas áreas de embarque de passageiros e bagagens, as áreas externas passam a ser uma grande preocupação em relação a ações terroristas. Estes equipamentos já são utilizados massivamente nos aeroportos de todo o mundo, além de Arenas Esportivas, Instalações Governamentais, Centros Logísticos e quaisquer área que necessitem de proteção de alta segurança sem que cause transtorno aos pedestres”, afirma Gustavo Rizzo, diretor-executivo da VAULT.

De acordo com Rizzo, o principal tipo de ocorrência relacionado à segurança dos passageiros é a Violação de Bagagem com furto nas áreas internas do aeroporto, respondendo por cerca de 60% das ocorrências registradas. Os outros 40% se dividem entre troca de bagagens, bagagens deixadas desatendidas por passageiros durante procedimentos de embarques, compras e alimentação, e, finalmente, a que mais cresce nos aeroportos do mundo todo que é o furto de equipamentos Smartphones, Tablets e Notebook. No caso dos saguões, grupos, passageiros com longo período de espera e pessoas com grande número de volumes podem caracterizar melhores oportunidades para os criminosos. Nas áreas internas dos aeroportos, bagagem sem cadeados ou aquelas com muitos objetos de valor, podem compensar os riscos para os bandidos.

“O número de ocorrências vem crescendo nos últimos anos e estima-se que no período entre 2011 e 2012 as ocorrências em Guarulhos, principal aeroporto brasileiro, tenha crescido mais de 10%, atingindo mais de 1.800 ocorrências. Daí a importância de investir em tecnologias que aumentem a segurança tanto pessoal como patrimonial nos aeroportos brasileiros”, finaliza Gustavo Rizzo.

Fonte: Portal TI Bahia